Quando a direita ganha, é o triunfo da democracia. Quando a direita perde, é fraude. A América com Donald Trump é um exemplo claro e concreto. No Chile, a direita não teve que argumentar dado o tamanho da derrota. No Brasil, Jair Bolsonaro se prepara, um ano antes das eleições, para denunciar uma fraude que ainda não aconteceu. Ele argumenta que há três anos, quando ganhou a eleição,sua vitória foi no primeiro   turno. Se ele passou para o segundo turno, foi por causa de fraude (???), alegações que nunca tiveram qualquer  evidência  para apoiá-lo. A mesma lógica é seguida no Peru. Castillo ganhou, é indiscutível. A OEA e os Estados Unidos reconheceram que as eleições foram justas e que nenhuma evidência de fraude foi encontrada, mas a Força Popular de Kiko Fujimori insiste que houve fraude maciça e que foi ela quem ganhou as eleições. Não é a primeira vez. Toda vez que Fujimori participa de uma eleição presidencial, é a mesma história. E certamente, como Trump, depois que os resultados sejam declarados, Kiko continuará lamentando que a eleição foi roubada.

Com o triunfo de Castillo no Peru, a América Latina  aborda um novo paradigma:   o triunfo dos povos nativos organizados e combativos,   o dos movimentos populares independentes, fora dos partidos tradicionais, que reúnem as aspirações dos diferentes segmentos da sociedade e da base, mais pragmáticas do que ideológicas, cansadas da pobreza e da miséria material, espiritual e intelectual que a direita liberal impus durante séculos.    

A direita não governa para todo o país, a direita rege para os interesses de grupos minoritários que têm o controle da economia. Para eles, a sociedade como um todo deve estar a serviço desses grupos. Os únicos direitos que são válidos são dessa minoria que acredita ser a dona do país, que acha que pode impor tudo e qualquer coisa, que se apegam aos seus privilégios, mesmo que causem destruição e miséria como é  na Colômbia,   abalada por uma revolta popular, o povo cansado de ser enganado, manipulado e assassinado.

No Chile, a direita foi tão longe a ponto de praticamente ter cometido suicídio e hoje representa apenas 15%  da população e dificilmente voltará ao poder nas  próximas décadas.   Mesmo a repressão extrema da revolta popular de outubro de 2019 não conseguiu mudar as coisas. Pelo contrário.

A falta de empatia, a crueldade social, o egoísmo, a estreiteza de visão da sociedade como   um todo, levaram a uma reação mundial dos diversos setores que se opõem diretamente a eles diante dos desafios ecológicos, climáticos, de saúde pública, econômicos e sociais marcados principalmente pelo rápido avanço na Europa dos partidos ecológicos e pelo aumento significativo do número de mulheres na política.   A obsessão da direita pelo lucro, a utopia do crescimento perpétuo o da manutenção do  sistema patriarcal,  a concentração de riqueza e renda, a luta pelo “poder” têm distanciado-se cada vez mais dos interesses dos cidadãos.

Com discursos monotemáticos, usando medo e chantagem, a direita está perdendo cada vez mais terreno para gerações que não querem pagar o amargo preço do futuro, causado por criminosos irresponsáveis que só se preocupam com o aumento dos lucros no final do ano, sem levar em conta as consequências de suas atividades. E quando são denunciados, como a mineração ou a indústria farmacêutica, não hesitam em mentir, deturpar, dar falsos argumentos e se passar por vítimas em uma demonstração de hipocrisia e cinismo. É o que mais os incomoda em Greta: que uma adolescente diga eles na cara, olhando nos olhos, o que eles realmente são.

Essas pessoas, verdadeiros traidores da humanidade, colocam seus interesses acima dos interesses da sociedade e das gerações futuras sem o mínimo escrúpulo. O discurso de defesa da liberdade e da democracia, dos valores “liberais”, do individualismo, da meritocracia, do Estado mínimo estão se tornando cada vez menos ecoantes diante da realidade do planeta.   “Só quando a última árvore estiver morta, o último rio envenenado e o último peixe capturado, perceberemos que o dinheiro não pode ser comido” – Tatanka Iyotanka, Chefe Sioux

O petróleo não se  come, a especulação financeira  também não se come, a corrupção dos bancos, pelo contrário, produz fome e morte como na crise de 2008. E quando houver falta de água, quando houver falta de recursos naturais, quando a humanidade será reduzida à sobrevivência mínima por causa dessas hienas, eles inventarão todos os tipos de discurso para se justificarem e certamente criarão guetos nos quais se refugiarão deixando o resto da humanidade no exterior.

Na América Latina, devemos criar novos sistemas que integrem todo mundo , lutem por uma verdadeira democracia popular e participativa, na qual o povo seja verdadeiramente soberano e onde o poder venha diretamente das bases. Uma democracia na qual todos os segmentos estejam representados. Estados plurinacionais que integrem sua história, suas diferenças, suas línguas, suas tradições. A América Latina deve acabar de uma vez por todas com 500 anos de colonialismo. Devemos acabar com os caudilhos, devemos entender que não há salvadores da pátria,  deve haver   um povo unido que lute por seus interesses. Criar uma nova forma de poder popular, democrático e inclusivo com a democracia direta como seu instrumento.  Mas esse sistema tem que ser o rosto e o grito da América Latina. Devemos pôr fim a este sistema democrático burguês e liberal, aberto a todas as manipulações e corrupções, controlado por séculos por uma oligarquia que tomou conta das nações.

Temos a Bolívia, em breve teremos Peru e Chile, que abriu o caminho com a revolta de outubro. Devemos apoiar nossos irmãos na Colombia e no Brasil, que lutam contra o mal absoluto, contra um criminoso genocida.

Está na hora. Os povos da América Latina devem unir-se de uma vez por todas, superando as diferenças impostas a nós pela colônia. Eles nos dividiram, nos trancaram dentro de fronteiras artificiais, criaram antagonismos e disputas entre  povos  para que as oligarquias pudessem se perpetuar no poder. Não podemos esquecer a frase de Kissinger sobre o processo chileno de Salvador Allende: “Não vejo por que temos que esperar e permitir que um país se torne comunista por causa da irresponsabilidade de seu próprio povo”.

Somos um só povo, somos uma terra e temos a Pachamama como guia. É o grito da terra que luta contra os inimigos de nossos povos. Temos um destino comum, uma história comum, uma dor comum, sangue e sofrimento comum. É hora das coisas mudarem.

Alfonso Vasquez Unternahrer