O que você deixou de ser quando cresceu ?

A pergunta reverberou na dimensão do planeta. Todos os “eus”, os “nós” e os eles » focaram na voz interior que procurava a resposta. De repente uma imerção no passado veio à tona na linha do tempo contemporâneo.

Uns de boca aberta surpreenderam-se, outros, mais mentais buscaram as opções. De um lado como do outro da Terra, a reflexão se fez presente no tal antigo e tão quase feliz natal de todas as épocas.

O ano de 2020 pedia arrego, o Papai Noel estava entubado na UTI. Jesus já ressucistou e não quer voltar. E o tal Messias não deveria estar no comando da situação? Como assim? Papai Noel existe?

A voz multimensional respondeu:

 – Já esqueceram dos personagens que alimentam o inconsciente imaginário coletivo em todos os dezembros há mais de 2000 anos ? Vocês vão ser reprovados no quesito « imaginação acompanha alegria ».

Os olhares voltaram-se para dentro, e um tempo distante recuperou o passado.

A inocência sentada com asas de anjo, com um sorriso aberto visualizou a árvore de natal, as luzes e estrelas decorativas do lar, quis sair voando e conseguiu, pegou uma vaquinha do presépio e começou a brincar de « fazenda das vacas que riem ». Um sopro de criatividade ditou a brincadeira. Delícia de ser e estar totalmente abstraído no encanto.

Do outro lado do saco do Papai Noel estava a irresponsabilidade totalmente relaxada e com a cara suja, os dedos lambuzados de rabanadas açucaradas, sem compromissos mundanos, existia pelo fato mais natural de nada exigir, sem imposições, dentro do universo infantil que nada critica e sem obrigações.

O riso solto gargalhava sem mais nem por quês. Simples assim, tudo é motivo para cair na risada, a cara do irmão vira melão, a mão do pai se transforma em olhares cúmplices de risinhos abafados, o peru de natal será que faz Glu…Glu…? E as lágrimas jorravam litros de bom humor.

A imaginação entrou em cena e metamorfoseou o cenário, pelos cantos da noite festiva, os comentários dos “eus” do passado falavam de uma estrela guia que conduzia os reis magos.

– Magos, Por quê? Por que eles faziam números de magia no circo…. ahhh entendi, então, os reis mágicos queriam encontrar o tal menino Jesus ? Aonde ? Na maternidade ? Não sei… Falaram que ele estava em um lugar cheio de animais, tinha até dragão, que medo…

– Os reis tinham camelos? Não, não… eles voavam em tapetes, e às vezes, criavam asas para voar mais rápido. 

As histórias ocupavam todo o espaço daquilo que não era bem aquilo, mas, que era bem real no momento fantasioso das atenções, sem medos, porque parece que os anjos da guarda tomam conta do pedaço.

A presença do agora totalmente vestida do instante presente, viajava nas coisas de perto, da absorção de tudo o que « é » sem pensamentos futuros, a entrega consciente do fazer e acontecer aqui, sem questionamentos ou reflexões.

Os pensamentos das recordações se transportaram ao natal de 2020, o tempo voltou como um jato de água fria.

A família reunida usava máscaras, uma certa tristeza pairava no ar, o tal vírus dividia as opiniões, uns a favor da ciência, outros, complotistas.

As crianças totalmente ligadas nos smartfones, a atenção no presente era virual.

Ninguém entendia muito bem as causas e consequências dos novos tempos. A liberdade do ir e vir era dividida, ou no ir ou no vir.  Os que tinham fé acreditavam que as mensagens de Cristo eram eternas, e, que eram a solução para a crise sanitária. Do outro lado da mesa, alguns acusavam os governos de manipulação.

De repente a voz reverberou novamente:

– Não deixem a luz que sempre habitou em vocês morrer no futuro, lembrem da sua criança interior, da alegria de viver e ela sabia incoscientemente que, tudo que precisamos já temos, que participar dessa louca viagem chamada vida é um presente misterioso e inexplicável.

E outra coisa, a voz afirmou :

 – O vírus, um dia vai embora e Papai Noel existe sim, é só acreditar que ele vive e revive dentro dos nossos sonhos infantis. E tudo vira magia !

E num lapso de instante, a Terra foi invadida por bilhões de papéis picados, a humanidade inteira leu a mensagem :

« Amai-vos uns aos outros » – Jesus Cristo

Por Miriam Rey