No mundo inteiro a ciência corre atrás de uma vacina contra o Covid-19. Demora? Sim, a vacina contra o Ébola e sua viabilização demorou 16 anos.

Porém, não é o caso do Coronavírus, que parou o mundo, matou muita gente e estagnou a economia. Estamos vivendo um período de paralisação e consequentemente os laboratórios estão trabalhando dia e noite para vencer o inimigo.

Normalmente, a criação de uma vacina contra qualquer virus infeccioso passa por várias etapas de estudo e produção, testes em laboratórios e em animais. Se a droga se mostrar eficaz começam os testes em humanos.

Após cerca de três meses, já existiam seis potenciais vacinas contra o Covid-19, elaboradas por 90 equipes de cientistas do mundo inteiro.

A luz da ciência pesquisa as seguintes vacinas :

Vacina mRNA-1273 - Moderna Therapeutics (Estados Unidos)

Ela baseia-se no RNA mensageiro (RNAm) ou ácido ribonucleico mensageiro, é utilizado um segmento reduzido do código genético do vírus, criado em laboratório, procurando incitar uma resposta do sistema imunitário para dizimar infecções.

Vacina INO-4800 – Inovio pharmaceuticals (Estados Unidos)

 Foca-se na injeção direta de ADN cultivado por cientistas no interior das células, produzindo anticorpos contra o virus.

Vacina AD5 – nCOV- CanSino Biologics (China)

Usa como vetor uma versão de um adenovírus, o famoso vírus da gripe. Este vetor o gene da proteína da superfície do vírus e tentar instigar a reação imune.

Vacina LV- SMENP-DC – Instituto Médico Genoimmune de Shenzhen (China)

Utiliza células dentríticas (leocócitos que protegem o corpo de antígenos) alterados através de vetores lentivirais, um método pelo qual genes podem ser inseridos, modificados ou eliminados do corpo humano, tentando uma resposta imune.

Vacina sem nome – Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan – Subordinado ao Grupo Farmacêutico Nacional da China – Sinopharm

Uma vacina de virus inativado, concebida a partir de partículas do vírus, bactérias ou outros patógenos cultivados, sem habilidades de causar patologias. No dia 23 de abril foi administrada em 96 voluntários de várias faixas etárias.

« É a tecnologia mais comum e mais aplicada na produção de vacinas, que possui produtos que já estão licenciados e comercializados. Prevendo uma vacina no prazo de 12 a 16 meses, baseada neste tipo de vacina inativa. Declarou Felipe Tapia – engenheiro biotécnico do Instituto Max Planck e da Bioprocess Engeneering Group na Alemanha.

Vacina ChAdOxl – Instituto Jenner, Universidade de Oxford (Reino Unido)

Os primeiros ensaios clínicos começaram no dia 23 de abril na Europa.

Os pesquisadores britânicos estão testando uma versão mais fraca de um adenovírus, vírus comum da gripe que causa infecção nos chimpanzés.

Estão concebendo um vírus que não é nocivo, porém manifesta a proteína do vírus, podendo originar uma resposta imune.

Enquanto isso…

A história ainda não acabou, e nós humanos mortais continuamos na perspectativa da cura, sempre de máscaras e proteções.

Por Miriam Rey

 

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn