Em tempos de contaminação mundial pelo Coronavírus, propagando-se em uma velocidade incrível e que já matou mais de 2000 pessoas, na China e em outros lugares, podemos observar o outro lado da situação, infelizmente, às vezes, quando perdemos, ganhamos.

O Coronavírus tornou-se o melhor amigo da ecologia, vem trazendo pontos positivos no combate ao aquecimento global e a poluição do ar. O medo do vírus, já fez com que a China emitisse cerca de 25% menos de CO2 na atmosfera nas últimas duas semanas, de acordo com o relatório divulgado pela CarbonBrief.

Depois do Ano Novo Lunar, onde a país fecha por uma semana, devido a epidemia crescente, o país ficou totalmente parado, consequentemente, fábricas fechadas, a produção do petróleo e aço, por exemplo, chegou ao seu menor nível desde 2015.

A interrupção dos voos domésticos vem colaborando para a diminuição do CO2, resultando 100 milhões de toneladas a menos na atmosfera e uma diminuição de 6% ao nível mundial.

Além da redução do Dióxido de Carbono, também foi detectada a dimunuição dos niveís de NO2 (Dióxido de Nitrogênio) em 39%, que é responsável por 38 mil mortes prematuras no país.

Os satélites de vigilância da poluição planetária da NASA, observaram também uma baixa significativa destes gases que poluem a nossa existência.

Refletindo aqui com os meus neurônios, a natureza é sabia e se não fizermos nada para protegê-la, ela toma as medidas cabíveis para a sua sobrevivência.

Talvez tenhamos que mudar a nossa visão da globalização, do consumismo desenfreado, da deslocalização das fábricas, dos produtos viajando de um canto do mundo ao outro, poluindo cada vez mais a nossa Terra.

Voltar aos velhos tempos dos produtos e da fabricação local, adaptarmos ao fato de termos menos variedades é bem melhor do que acabar com os seres vivos.

Por Miriam Rey

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn