A ficha está caindo, depois de anos de advertências, pedidos e manifestações contra o efeito estufa,  causado principalmente pelas emissões de CO2 na atmosfera terrestre, finalmente, a natureza provou que o aquecimento global é um grave problema para todas as formas vivas.

Este ano de 2020, não sentimos o inverno passar, com temperaturas elevadas para a estação, poucos tiraram as botas de neve do armário. Sim ! Estranha sensação de mudança.

Entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020, os cientistas constataram o inverno mais quente em relação a outros anos. Evidenciando preocupação quanto a elevação da temperatura.

O continente tem indíces oficiais de temperatura desde 1855, quando o Serviço de Mudança Climática Copernicus (C 3S) começou a coletar dados. A temperatura do inverno atual, superou em 1,4° C, o recorde anterior, registrado entre 2015 e 2016.

A comparação feita entre 1981 a 2010 é surpreendente, o aumento foi de 3,4°C. Em Helsinque, na Finlândia, a temperatura em janeiro e fevereiro de 2020, foi de 6°C acima da media no mesmo período em outros anos.

As temperaturas elevadas causaram impacto negativo em toda a Europa. Na França, a colheita do ice-wine, vinho produzido a partir de uvas congeladas, foi prejudicada. Considera-se provável que as inundações no Reino Unido, tenham relação com as altas de temperatura.

Na Suécia e Russia, as autoridades importaram neve, para manter o clima de Natal e realizar eventos esportivos.

O mundo todo está observando as mudanças climáticas. Recentemente na Antártida, registraram-se temperaturas acima de 20°C. A Austrália sofre com os incêndios florestais e teve o segundo verão mais quente de sua história.

Todas as ações ambientalmente incorretas são provocadoras do aquecimento global. Já faz tempo que ouvimos dizer que não é tarde para mudarmos de atitudes, mas o tempo passa, e com ele a oportunidade de entramos em ação, a ação que antes era simples hoje se tornou complexa.

Antes de consumir, pensem !

Por Miriam Rey

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn