O Brasil se divide em uma grande crise climática, chuvas constantes e estiagem insuportável. A maior dos últimos 100 anos.

Enquanto o sudeste sofre da seca, já provocando aumento do custo da eletricidade, o Rio Negro no Amazonas, alcançou a sua maior marca, com nível de quase 30 metros.

De outubro de 2020 a maio de 2021, a cidade de Manaus, por exemplo, registrou 2.490 milímetros de chuva, 509 milímetros acima do normal. Para os próximos 30 dias há previsão de mais de 100 milímetros. “A água está sendo barrada pelo próprio Rio Amazonas e Solimões, e como o rio Negro é mais estreito na sua foz isso faz uma barreira” – diz Celso Oliveira, meteorologista da Somar.

De dezembro de 2020 a maio de 2021, cidades do Sudeste receberam 400 milímetros de chuva a menos do que o normal. Agora que estamos entrando no período seco marcado pelo outono e inverno, não dá para esperar reposição. “O verão que deveria chover e encher a nossa ‘caixa d’água’ teve chuva abaixo do normal em grande parte do Brasil. Dessa maneira não dá para esperar reposição hídrica agora no período seco”, diz Desirée Brandt, da Somar.

O que podemos afirmar é que, o desmatamento da Amazônia e o aquecimento global podem estar contribuindo para o quadro climático que o Brasil está enfrentando.

Apesar desta relação e o desmatamento da Floresta, o climatologista, José Marengo, do Cemaden, declara que ainda não podemos afirmar que, a seca e as enchentes estão relacionadas diretamente com o desmatamento da Amazônia. A principal causa segundo ele, é o fenomeno La Niña, que provoca a diminuição das temperaturas no Oceano Pacífico, e consequentemente, mudanças nos ventos e nas chuvas.

Porém, os impactos do desmatamento da floresta podem causar períodos de secas mais frequentes, como os de agora.

Em outras regiões do país como no Sul e Sudeste, já houve muito desmatamento. A vegetação é uma espécie de esponja que ajuda a água entrar no solo, sem ela o solo fica mais compacto e perde a sua capacidade de estoque de água.

Para agravar o processo, o desmatamento da floresta contribui com o aquecimento global devido a emissão do gás carbono. Na atual seca o governo brasileiro vai acionar as usinas térmicas para garantir o fornecimento de energia, aumentando a poluição.

O que está acontecendo na floresta Amazônica é o começo do fim, devemos  incentivar medidas de proteção, definir leis e punições e cobrar dos órgãos competentes as ações justas e eficazes.

Senão… o Planeta Terra vai acabar antes do tempo e só vamos deixar gás carbono para as futuras gerações.

Por Miriam Rey