A Coreia do Sul vai sediar, do 9 ao 25 de fevereiro deste ano, os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang 2018.

E vai aproveitar o momento para mostrar ao mundo a sua arte, a cultura e o desenvolvimento econômico e tecnológico alcançado nos últimos 30 anos, que colocou o país na liderança mundial de equipamentos, veículos, aparelhos eletrônicos e de comunicação.

O ministro da Embaixada da Coreia no Brasil, Kwon Youngseup, disse que os organizadores vão mostrar, durante o evento, a nova tecnologia 5G, que visa revolucionar a internet e a telefonia móvel, com mais velocidade de conexão, realidade virtual, inteligência artificial e a chamada internet das coisas (que vai conectar eletrodomésticos e meios de transportes com a rede mundial de computadores).

Os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang rivalizam em termos de interesse internacional com os Jogos Olímpicos de Verão, cuja última edição foi realizada no Rio de Janeiro em 2016, com a Copa do Mundo e com o Super Bowl (futebol americano).

Cerca de 3 mil atletas de 95 países vão participar das competições. Ao todo, serão realizadas 102 finais em 15 modalidades de inverno, com transmissão ao vivo pela televisão mundial.

O Brasil conquistou vagas em cinco modalidades: esqui alpino, esqui cross country, snowboard, bobsled e patinação artística.

delegacaobrasiljogosinvernoolimpiada2018christiandawescobA delegação brasileira já está em PyeongChang, na Coreia do Sul, para a disputa

A delegação brasileira será formada por Isadora Williams (patinação artística); Edson Bindilatti, Odirlei Pessoni, Rafael Souza, Edson Martins e o reserva Erick Vianna (bobsled); Michel Macedo (esqui alpino); Jaqueline Mourão e Victor Santos (esqui cross country); e Isabel Clark (snowboard).

O Brasil obteve a inédita classificação no bobsled de duas pessoas. O bobsled é um esporte de inverno no qual equipes de duas ou quatro pessoas fazem corridas em estreitas trilhas de gelo sobre um trenó.

f74e6d55 eb24 4ef8 89ae a99f9a61f7abequipe de Bobsled é a primeira do Brasil em Pyeongchang

De acordo com o ministro Kwon Youngseup, o governo coreano dará ênfase à segurança durante os jogos. Com relação à vizinha Coreia do Norte, o diplomata coreano afirmou que a segurança terá como pilar a trégua olímpica para os Jogos de PyeongChang 2018, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2017. Por essa trégua, a Coreia do Norte e a Coreia do Sul não só evitarão agressões mútuas como também participarão em conjunto de eventos sociais e esportivos.

67wsnm1czbw2brhw06at22sltO esporte é a chave que abre as portas da paz entre as nações.

Eu vou assistir !

Por Miriam Rey