No domingo (04.09) ocorreu a abertura oficial do encontro de cúpula do G20 em Hangzhou na China. Ao abrir o encontro, o Presidente Chinês, Xi Jinping, afirmou que o grupo precisa adotar novas medidas para gerar crescimento, incrementar o comércio e investimentos e evitar o protecionismo.

Para Xi Jinping a economia mundial está se recuperando, mas enfrentra múltiplos desafios em finanças, comércio e investimentos. O presidente da China pediu aos participantes da cúpula para coordenar suas políticas fiscais e monetárias, assim como suas reformas estruturais, para estimular a economia e garantir que se mantenha a dinâmica de longo prazo.

O presidente da República, Michel Temer, se apresentou neste domingo (4), em encontro informal na China, aos chefes de Estado dos outros quatro países que integram o Brics, bloco de nações emergentes integrado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Ao discursar na reunião, o peemedebista afirmou aos colegas dos Brics que seu governo está promovendo “um ajuste fiscal amplo e sustentável” e que colocará em prática uma “ambiciosa agenda de reformas estruturais.

Jinping e os outros líderes dos Brics evitaram citar o impeachment da agora ex-Presidente Dilma Rousseff e a efetivação de Michel Temer no cargo de Presidente da República.

Temer viajou para a China na quarta-feira (31), mesmo dia em que Dilma Rousseff foi afastada definitivamente da Presidência e ele foi empossado pelo Congresso Nacional, para participar do encontro de cúpula do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta.

O presidente Michel Temer embarcou de volta para o Brasil às 6h55 (horário de Brasília) desta segunda-feira (5). No último dia na China, Temer teve reuniões bilaterais com chefes de Estado de outros países participantes da cúpula do G20.

Em seu discurso, ele deu destaque às medidas que pretende adotar para equilibrar as contas públicas e estimular o crescimento. Além disso, citou investimentos que o país quer fazer em infraestrutura, por meio de concessões à iniciativa privada.

A primeira reunião de Temer no último dia do G20 foi com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. Depois ele teve reuniões bilaterais com o Vice-Primeiro-Ministro da Arábia Saudita, Príncipe Mohammad bin Salman Al Saud, com o Chefe Interino do Governo da Espanha, Mariano Rajoy, e com o Primeiro-Ministro da Itália, Matteo Renzi.

Na conversa com o Ministro do Japão, Michel Temer falou do interesse brasileiro em atrair investimentos em infraestruturas, portos, aeroportos e ferrovias, deixou claro a intenção do Brasil em exportar carnes, frutas e demais produtos agrícolas ao Japão, além de aprofundar a cooperação nas áreas de educação, ciências, tecnologia e inovação.

Na reunião com o Ministro Espanhol, falaram sobre a situação política do Brasil e da Espanha e as relações econômicas entre os dois países.

Também abordaram o acordo de paz do Governo Colombiano com as Farc e a atual situação política da Venezuela, com o referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro, Presidente Venezuelano, que a oposição tenta aprovar. Rajoy convidou Temer para visitar a Espanha e o convite foi recíproco.

Na conversa com o Vice-Primeiro-Ministro da Arábia Saudita, Temer defendeu o fortalecimento das missões econômico-comerciais entre os dois países e falou do interesse do Brasil em exportar produtos agropecuários e de material de defesa.

Na reunião bilateral com Matteo Renzi, segundo informou o Planalto, Temer reiterou o interesse do Brasil na venda da aeronave KC 390 da Embraer, disse que o país quer atrair investimento italianos e manifestou solidariedade pelo terremoto que atingiu a região central da Itália no final de agosto.

Entre o blá blá blá e o protocolo diplomático, esperamos que a crise econômica mundial visualise um novo horizonte ou crie quem sabe, um novo caminho que defina uma maior estabilidade para os habitantes do Planeta Terra.

Por Miriam Rey