“O cantor, compositor geralmente recluso e mal-humorado e também gênio, João Gilberto morreu no sábado (06.07.2019) aos 88 anos.

O mundo todo se consternou e no Facebook e Twitter as pessoas passaram o fim de semana publicando fotos de discos e relatos de como a bossa nova era importante para elas e simbolizava tudo o que era belo, sofisticado, sensível e inteligente.

Um pouco da vida e obra do Mestre João Gilberto, vale conhecer.

João Gilberto (1931-2019) foi um cantor, compositor e violonista brasileiro, considerado o criador da Bossa Nova.

João Gilberto de Prado Pereira de Oliveira nasceu em Juazeiro, Bahia, no dia 10 de junho de 1931.

De família de músicos, ainda adolescente formou o grupo musical Enamorados do Ritmo. Com 18 anos mudou-se para Salvador e tornou-se crooner da Rádio Sociedade da Bahia.

Em 1950 João Gilberto mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fez parte do conjunto Garotos da Lua, que se apresentava na Rádio Tupi. Com o grupo gravou dois discos, mas por indisciplina foi expulso da banda.

Passou alguns anos dedicando-se ao estudo do violão. Em 1958, participou como violonista no disco de Elizete Cardoso, com canções de Tom Jobim e Vinícius de Morais.

Em março de 1959, a gravadora Odeon lançou o disco Chega de Saudade, onde João Gilberto abriu um novo caminho para a música popular – a Bossa Nova, o acompanhamento do violão possuía uma batida e uma harmonia diferente.

Em 1961, lançou João Gilberto, onde se destacou : O Barquinho. Nesse mesmo ano foi lançado no mercado norte-americano o disco Brazil’s Brilliant João Gilberto.

Em 1962, no show: O Encontro, dividiu o palco com Vinícius de Morais, Tom Jobim e o grupo vocal Os Cariocas. Apresentou-se nos Estados Unidos no Festival de Bossa Nova, no Carnegie Hall de Nova York. Fixa residência na cidade e lança o álbum The Boss of the Bossa Nova.

Em 1963, João Gilberto grava com o músico Stan Getz o disco Getz/Gilberto, que foi lançado no ano seguinte, que tornou-se um marco, consagrado com a música Garota de Ipanema. Nessa época realizou apresentações na Itália e no Canadá.

Em 1969, viajou para o México, onde residiu durante dois anos. Participou de festivais de jazz em Guadalajara, Cidade do México e Puebla. Fez vários shows e recebeu o troféu Chimal. No ano seguinte lançou o LP João Gilberto em México.

Em 1971, participou do especial realizado pela TV Tupi, ao lado de Caetano Veloso e Gal Costa. De volta à Nova York, realizou com Stan Getz, uma temporada no Rainbow Grill.

Depois de várias apresentações e gravações, em 1980, voltou a residir no Brasil, fixando-se no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano grava o especial João Gilberto Prado Pereira de Oliveira, que contou com a participação de Bebel Gilberto e Rita Lee.

Em 1986, se apresentou no Festival de Montreux, na Suíça. Sua participação foi gravada e lançada no CD duplo Live at the Montreux Festival. Em 1987, recebeu do governo brasileiro a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho, no grau de Comendador.

João Gilberto continuou com suas apresentações no Brasil e fora do país. Em 1994, apresentou-se no Palace de São Paulo, tendo como convidada a sua filha Bebel Gilberto, gravando ao vivo para o CD :Eu Sei Que Vou Te Amar.

Os últimos lançamentos de João Gilberto: João, Voz e Violão (2000), que recebeu o Grammy na categoria Best World Music Álbum, e o CD João Gilberto in Tokyo (2004). Depois de longo período fora dos palcos, em 2008 apresentou-se no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, celebrando 50 anos da Bossa Nova.

João Gilberto viveu seus últimos anos em um apartamento no Leblon, Rio de Janeiro. João Gilberto faleceu no Leblon, Rio de Janeiro, no dia 6 de julho de 2019.

Saudades João Gilberto !

Vai minha tristeza

E diz a ela

Que sem ela não pode ser

Diz-lhe numa prece que ela regresse

Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela

Não há paz, não há beleza, é só tristeza

E a melancolia que não sai de mim

Não sai de mim, não sai

Mas se ela voltar, se ela voltar

Que coisa linda, que coisa louca

Pois há menos peixinhos a nadar no mar

Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços os abraços hão de ser milhões de abraços

Apertado assim, colado assim, calado assim

Abraços e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim.

Aplausos !

http://www.youtube.com/watch?v=ezTGEOvBorY

http://www.youtube.com/watch?v=b5uck2cA2sA

Por Miriam Rey