O que aconteceu com Lucia Perez é insuportável porque isso significa que em pleno século XXI, ainda vivemos na barbárie, na ignorância e no obscurantismo.

Com o assassinato dos dois criminosos, toda a sociedade é culpada. E quando eu digo a sociedade, eu digo todos, incluindo mães que perpetuam o machismo na educação das crianças, repetindo os padrões arcaicos de separação das funções, o menino vai jogar futebol e a menina permanece na cozinha lavando os pratos.

É no sistema de educação familiar e religiosa que são perpetuados por séculos, divisões e preconceitos. Em nome da defesa da família, os setores reacionários têm dividido a sociedade entre homens e mulheres, dando às mulheres o papel da minoria, junto com crianças e animais. Na Arábia Saudita, os cientistas islâmicos recentemente descobriram que a mulher não é um objeto, mas um mamífero, como os outros, então a partir daí, a mulher começou a ter os mesmos direitos que os mamíferos, o que significa, o direito de abrigo e alimento. Pergunto-me o que sente um saudita sabendo que ele é o filho de um mamífero, de um animal. A lógica dita à conclusão de que, se ele é o filho de um animal, ele é um também. Até agora, os sauditas não conseguiram explicar por que milagre eles convertem animais em seres humanos e eles não explicam como um filho de um objeto se torna um ser humano.

É óbvio que o ser humano pertence ao reino animal, tal como qualquer outro ser vivo no planeta, menos do reino vegetal ou mineral.

É claro que o mundo muçulmano, principalmente sunitas, salafistas e fundamentalistas, todos têm um problema patológico sério em relação ao sexo e as mulheres. A sociedade masculina, gravemente doente, marginaliza a metade da força produtiva da nação, negando-lhes educação e o direito ao trabalho, tudo porque eles são incapazes de ver as mulheres como iguais e eles não hesitam em matar em nome da «honra». Pergunto-me o que é a honra, que deforma uma mulher com ácido ou simplesmente matá-la porque ela quer ser um ser humano e tomar suas próprias decisões.

Como é possível que homens que têm mães, irmãs, filhas, consideram as mulheres como meros objetos. De onde vêm esta visão distorcida das mulheres, que representa cerca de metade da espécie humana?

As mulheres em diferentes momentos da história tiveram diferentes papéis nas sociedades humanas.

Nas Américas os povos indígenas tinham uma visão de comunidade, em que todos eram iguais e que foi destruída por invasores conquistadores, trazendo ignorância e a inquisição.

Nos vários sistemas religiosos e sociedades do mundo, com base no sistema patriarcal predominante, especialmente no Oriente Médio,  em que as mulheres eram propriedades, um objeto de trabalho e de reprodução.

Em diferentes partes do mundo, os homens separaram e marginalizaram as mulheres à papéis secundários, ou simplesmente através do extermínio, como na Índia, onde o assassinato de meninas é galopante produzindo um desequilíbrio demográfico irreversível, com consequências sociais devastadoras e aumentando o estupro e agressão contra elas. Ou na China, onde a lei das famílias de filho único forçando a favorecer crianças do sexo masculino, mais aptas ao trabalho.

No Islã, onde o muçulmano vive uma verdadeira patologia contra as mulheres, até o ponto onde grupos extremistas , tentam por todos os meios anular as mulheres, ocultando-as, reprimindo ou simplesmente negarndo a sua existência. O Burka é um exemplo da negação da vida. Apesar do fato de não ser uma obrigação religiosa, é imposta em nome da «moralidade».

Em nome da «decência», a mulher é vista como um objeto, exceto por seu marido, ela não pode e não deve ser vista por ninguém. Torna-se uma sombra que não tem rosto, sem expressão e sem palavras. Fora da privacidade, ela simplesmente não existe. É um objeto que pertencente a outro ser humano e em nome da religião, a existência como ser humana lhe é negada..

Na América Latina, as mulheres pagam as frustrações sociais, políticas e profissionais dos homens adicionando à miséria, alcoolismo, drogas, tornando o continente um túmulo aberto e que, principalmente na América Central e no México, o feminicídio é comum.

Quem disse que os homens eram superiores as mulheres?

Qual homem seria capaz de suportar a dor do parto?

Qual homem poderia suportar as mudanças físicas, hormonaia e emocionais de uma gravidez?

Qual homem seria capaz de carregar uma criança por nove meses em seu ventre?

Qual homem seria capaz de trabalhar oito horas por dia, e, em seguida, cuidar das crianças e da casa?

Poderia ser o mito de que a mulher foi feita da costela de Adão, que abre a porta para todos os ultrajes?

No mundo real, as coisas são diferentes. As meninas estão amadurecendo muito mais rápido do que os rapazes. Na puberdade, um rapaz de 12 anos ainda é um bebê, enquanto uma filha da mesma idade, é mais consciente do mundo em torno dela. Na escola, vários estudos mostram que as mulheres têm melhor desempenho do que os homens. De onde vem essa superioridade? Da força bruta, dos músculos, punhos fechados, ferir e matar? Esta é a superioridade da força bruta, da mediocridade e da ignorância.

Os homens não são superiores as mulheres. A natureza em sua sabedoria, decidiu criar dois tipos complementares em todo reino animal, machos e fêmeas, para a necessidade de reprodução. Ela adaptou-os para as funções de cada um, fornecendo os órgãos necessários para que todos possam cumprir a sua função. Em nenhum momento, as diferenças biológicas ou físicas implica na superioridade de um sexo sobre o outro, com excepção do enorme «detalhe» que a fêmea é aquela que dá a vida e garante do futuro da espécie, a matriz das gerações futuras e é por isso que as mulheres devem ser respeitadas e protegidas pela sociedade e pelo sexo masculino, porque muitas vezes nos esquecemos de que a sociedade é composta de mulheres e homens, e que, perante a lei e a justiça, são iguais.

O fato de que as mulheres ganham menos que os homens não é o produto de genêro, mas sim o resultado da ideologia liberal onde tudo e qualquer coisa é justificada, a fim de aumentar os lucros.

É uma atitude operacional por parte dos empregadores, que tomam esta posição de gênero para pagar menos às mulheres e, assim, adicionar essa diferença para os lucros da empresa.

É uma atitude criminosa, porque no tribunal isso deve ser considerado um roubo. Com o uso de argumentos indecentes, os chefes justificam as diferenças salariais afirmando que os homens são mais rentáveis, que eles não precisam se ocupar da família e não sofrem de período (s) de gravidez. Em desresponsabilizando os homens das obrigações familiares, pais e acompanhantes, reduzindo o papel de fornecedores e atribuindo as mulher a carga de trabalho familiar como se fossem de exclusiva responsabilidade delas.

E eu me pergunto, de acordo com o cronograma de trabalho quem deveria ganhar mais?

Pobres homens, pobre sociedade patriarcal que construiu um mundo de violência, injustiça e divisões onde o machismo cego predomina e que a metade da humanidade é abusada por aqueles que veiram ao mundo através das mulheres.

Sem elas, os homens não seriam nada. Sem o apoio, amor e força de uma mulher, o homem se tornaria um navio sem leme.

Esta atitude de violência cria uma diferença entre homens e mulheres que se sentem cada vez mais isoladas e abusadas causando uma «guerra dos sexos» que não tem mais lugar nos dias de hoje.

A liberdade das mulheres será conquistada por elas mesmas, quando disseram BASTA! e enfrentaram o machismo primário. Quando elas se organizarem para resistir à opressão da mediocridade e da ignorância.

Infelizmente, muitos homens vão perder o trem do desenvolvimento humano. Juntar-se na luta das mulheres, não é ser menos homem, pelo contrário … é simplesmente ser mais.

 

Alfonso Vásquez Unternahrer

 

Traduction du portugais pour le français Miriam Rey