Em tempos difíceis para o jornalismo, hebdolatino.ch e sua equipe estão trabalhando arduamente para fornecer a melhor informação possível.

Inauguraremos na próxima semana novas rúbricas de interesse social que serão úteis a todos os habitantes de Genebra, sejam eles estrangeiros, de outras estados ou simplesmente moradores.

“Viver na Suíça” irá abordar toda a problemática que significa se instalar no País. Marina Serra, jornalista de origem espanhola, começou a rúbrica com um artigo sobre as diversas autorizações de residencia e continuará, todas as semanas com um artigo de interesse a tudo que diz respeito à viver em Genebra, o sistema legal, seguro doença, etc.

Enquanto isso, em Endereços Úteis, os nossos leitores vão encontrar informações sobre consulados, missões diplomáticas, as várias organizações que apoiam os migrantes, instituições de solidariedade social, associações, etc.

As seções Poesia e Cultura são abertas ao público, que podem enviar poemas, contos e crônicas. Através destas páginas, queremos abrir um espaço para a criatividade e também mostrar a riqueza da diversidade cultural dos nossos leitores, seja aqui ou em outro lugar, desfrutar a magia da Internet, o que nos permite interagir com vocês onde quer que estejam.

Qualquer pessoa que quera fornecer informações musicais, teatrais, exposições de pinturas ou outra atividade artística cultural, pode contactar-nos para que possamos divulgar  o enderesso redaction@hebdolatino.ch

Nossa secretaria de redação e nova editora Aurélie Batista estará atenta a qualquer informação relativa à atividade cultural em Genebra a fim de ser comunicada da melhor maneira e tão rapidamente quanto possível, através da coluna Artes e Espetáculos.

Nossa jurista Joëlle Coutouma, está pronta para qualquer consulta jurídica, para resolver quaisquer problemas legais que nossos leitores possam encontrar no cotidiano, no que diz respeito ao estabelecimento na cidade, problemas familiares, entre outros.

Ao mesmo tempo, a equipe da Associação Suíça América Latina em cooperação com o www.hebdolatino.ch, trabalham na preparação de eventos culturais em curso para 2017 como a exposição de fotografia com Carlos Serra, Stephan Gros e Miriam Rey, «Meu olhar sobre Genebra» na livraria Olivier, localizado na rua 5 Rue de Fribourg – 1201 Genève.

O projeto «Origens», que aborda as raízes da música e cultura do nosso planeta, dos quais Genebra é um exemplo da diversidade e da convivência entre os diferentes povos que constituem a sua população, também está sendo preparado. O primeiro projeto «origens» vai se concentrar na música e cultura caribenha. À noite, concertos, exposições e mostras culinárias da região serão mostradas. A artista e representante da cultura cubana,  Amanda Cepero vai relatar as origens e a história de diferentes correntes musicais e culturais da região.

Em termos jornalísticos esta semana foi marcada pelo referendo sobre a paz na Colômbia. Com uma visão um pouco diferente do que a imprensa mundial revelou, Hebdolatino oferece uma análise sobre a alta taxa de abstenção. Qualquer referendo com 62% de abstenção seria considerado legalmente nulo, então a alegação de que o povo colombiano votou o Não, obviamente não é correto.

A atrocidade extrema da guerra na Síria, onde os russos, por interesses geopolíticos fizeram uma aliança com Assad impondo o horror e negando qualquer tipo de crime de guerra frente a um mundo atordoado, cínico, hipócrita e cruel, a destruição total da infra-estrutura e o assassinato de civis, uma verdadeira arma de guerra.

A crise aguda do jornalismo, juntamente com o da democracia no mundo, principalmente na Suíça, onde, por causa de interesses puramente financeiros e o aumento dos lucros, estam destruindo o jornalismo na região de língua francesa, com mais de 30 demissões nos principais meios de comunicação da região como, Le Temps, La Tribune de Genève, 24 Horas .

Puramente decisão econômica ou com intenções políticas para silenciar a imprensa quando as políticas liberais são desafiadas? Quando a imprensa mundial está sofrendo uma repressão brutal na Turquia, Rússia, Síria, Arábia Saudita e muitos outros países, incapaz de governarem sem aceitar críticas, a participação popular, as opiniões divergentes, estabelecendo-se como verdadeiros donos do poder. Governos autoritários, pseudo-democráticos, intolerantes de questionamento, como no Brasil, onde o governo cortou toda a ajuda oficial para portais de informação alternativos, revelando sua parcialidade e deixando as informações apenas para órgãos adquiridos do novo governo, surgido durante um golpe parlamentar e que está no processo de aplicação da política ultra-liberal,  é o desmantelamento da arquitetura social, peça por peça, construída em mais de 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores e que permitiu a muitas pessoas sairem da pobreza.

Em face com o silêncio cúmplice dos que gritaram nas ruas do Brasil para exigir a saída da presidente Dilma Rousseff, temos assistido espantados o fato de como um país pode cair nas mãos de corruptos, da máfia e grupos criminosos que assumiram o controle do país com a cumplicidade direta e aberta do sistema judiciário e da polícia federal. Ao mesmo tempo, a polícia militar tratar os cidadãos como inimigos internos em uma guerra que deixou centenas de mortos, competindo com o México nas arbitrariedades, nos crimes de estado, assassinatos oficiais e impunidade.

A equipe de Hebdolatino.ch está ciente da enorme dificuldade para financiar e manter um meio de comunicação livre e objetivo para a população. Por este motivo, contamos com você, leitor, para nos ajudar a continuar nossa luta pela informação, para oferecer o melhor serviço possível. Este meio de comunicação está aberto para vocês, suas opiniões e suas colaborações. Existe um botão para doações na página principal para aqueles que desejem colaborar conosco, a fim de que possamos continuar o nosso trabalho.

Para mais informações, por favor escreva para:

Redação@hebdolatino.ch ou ligue para o telefone : 022 808 01 93 ou 076 803 24 97.

l’ hebdolatino.ch continua a sua luta!

Tradução do francês para o português
Miriam Rey