Muitas cabeças, muitas ideias. Na bola que gira o ano é 2021. Sim, pois é…

O mundo, nas lentes de um observador fora da nossa órbita, é estranhamente diferente. Porém, após o primeiro momento de pânico, outro instante se instalou, um tipo de conduta menos preocupante. Nos países tropicais as praias lotadas nadam com o covid. As festas são fixadas até 22h, mas, a muvuca é grande, como se o vírus chegasse pra balada depois do horário proibido.

Nos países frios é um tal de abre e fecha, confina, desconfina, pensa ? O povo está perdido, assim como os governos e a ciência.

E a vacina? Um ano de muita pesquisa dos cientistas, finalmente as vacinas foram aprovadas, logo todos imaginaram que as vacinações em massa seria a solução. Engano nosso. Existe uma Guerra entre países pelas doses, um problema de logística, de falta de pessoas qualificadas para vacinar, de material indispensáveis, etc e coisa e tal… E o blá… blá… blá, continua.

Os complotistas e os antivacinas atacam, declaram e aumentam as suas audiências nas redes sociais, os menos informados acreditam que depois da vacina vamos virar jacaré.

Enquanto isso, a mídia bombardeia os jornais de estatísticas de mortos, gráficos de aumento das contaminações, as novas mutações do vírus, os aeroportos fechados ou abertos, os testes para circular no mundo, as quarentenas, as máscaras e o álcool gel são as vedetes do novo tempo.

A economia nos moldes que conhecemos está afundando em um mar de desempregados, de perda de produção e consumo. Alguns dizem que muitos estão ficando milionários com a crise, muitos ? Será ? Alguns poucos, talvez. A grande maioria da humanidade está sem rumo, sem trabalho e sem certezas.

O Planeta Terra começa a se regenerar sem a poluição no ar, a vida animal aproveita dias de férias em toda segurança.

O observador distante não entende nada. Nós também não !

As coisas poderiam ser melhores se todos estivessemos na mesma frequência, ou seja, da cura, da boa vontade, das medidas impostas, acreditar que tudo está fora do lugar e impedir os negacionistas de promover ideias, acumulando seguidores.

Eu ? Estou perplexa e confiante, sei que estamos passando por um momento de transição, lição e se apredermos, no caso de sobrevivermos, construiremos um novo tempo com novas intenções.

Vamos acreditar ?

Por Miriam Rey