Ser flor

Em espinhos

Tocar sem sentir

E depois

Calar intenso

A vida me mostra, o quê ?

A trilha

Às vezes, furacão

Em outras, calamarias

Vou correndo

E depois

Paro

Sufoco o grito

Respiro o zen

Intensifico e dramatizo

Desmistifico e realizo

Os contrários estão ao lado

Os iguais em ondas de atração

Um « Eu te amo » soa profundo

Um «Te odeio» invoca a frustração

Um «Está tudo bem»

Traz a coerência entre ser

Isso e aquilo…

Por Miriam Rey