Santiaigo do Chile

O velho ar que respiramos, já não é o mesmo de 50 anos atrás. Infelizmente, com a industrialização crescente, estamos respirando partículas formadas por uma combinação de compostos químicos tóxicos, como amônia, nitratos, e sulfatos, além de poeira.

Mais de 80% das pessoas que vivem em áreas urbanas, onde há monitoramento da qualidade do ar, estão expostas a níveis de poluição além do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os que mais sofrem os efeitos perversos da poluição produzida por indústrias e automóveis, são os mais pobres.

As regiões do planeta onde a poluição do ar atinge picos mais insalubres são : Oriente Médio, África e sudeste da Ásia. Só na Índia, estão 16 cidades das 30 que apresentam níveis mais altos e alarmantes.

Aparecem ainda na lista de países mais poluídos : China, Camarões, Irã e Paquistão. Entre as cidades brasileiras que aparecem no levantamento como tendo índices de poluentes além dos recomendados estão : São Paulo, onde o nível é o dobro do que o sugerido, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

foto 0113Rio de Janeiro

Santiago, capital do Chile, e Caracas, na Venezuela, também foram citadas como exemplos negativos.

Segundo estimativas, apenas 7 milhões de pessoas vivem em áreas nas quais as partículas ultrafinas (pm 2,5) excedem os limites de 10 microgramas por metro cúbico, indicados como ótimos pelas linhas da OMS. Já 60% da população mundial vive onde as partículas excedem os limites impostos pela entidade, que são de 35 microgramas por metro cúbico.

Entre as doenças apontadas como tendo relação direta com o problema da poluição, estão : o câncer de pulmão, derrames, ataques cardíacos e condições respiratórias crônicas, como asma.

Estima-se que 3,3 milhões de pessoas morram no mundo devido à complicações provocadas pela poluição atmosférica.

efeitoestufaspSão Paulo

As soluções podem ser muitas, mas diminuir a circulação dos automóveis, privilegiando o transporte público, monitorar o índice de poluição nos centros urbanos, ajuda bastante na qualidade do ar que respiramos.

É pois é, estamos acabando com o Planeta, através do consumismo fútil, a industrialização em massa e a ganância de ganhos pelos poderosos. Nós também somos culpados. O que podemos fazer ? Comprar menos, andar de bicicleta, economizar eletricidade e por aí vai…

Ser consciente significa deixar para as gerações futuras, um lugar onde eles poderão viver e respirar.

Por Miriam Rey