O salário mínimo é a quantidade mínima de dinheiro que se paga ao trabalhador por prestar seus serviços, destinado a realizar qualquer tipo de trabalho em um determinado país e está oficializado por lei, que foi constituida pela primeira vez na Austrália e na Nova Zelandia no século XIX.

Para fixar o salário mínimo se deve ter em conta certos fatores, tais como, custo de vida, as modalidades de trabalhos, a capacidade econômica das empresas e as condições de cada região ou atividades lucrativas.

Deve garantir ao trabalhador: moradia, alimentação, vestuário, transporte, lazer e escolaridade.

Será que o Brasil cumpre com essas exigências do viver dignamente? A resposta é curta: Não, claro que não!

Com apenas R$ 937 no bolso no final de cada mês é impossível gerar todas as contas da casa, neste momento de crise no país. A exploração do trabalhador virou uma escravidão do sistema, que obriga as pessoas a utilizarem depois dos primeiros quinze dias do mês, os seus cartões de crédito, com juros altíssimos, virando uma bola de neve sempre no vermelho.

O governo Temer reduziu de R$ 969 para R$ 965 a previsão do valor do salário mínimo. O anúncio foi feito na segunda-feira (30) pelo Ministério do Planejamento, durante a apresentação de mensagem modificada da proposta de orçamento.

Por lei, até 2019, o salário mínimo é definido com base no crescimento da economia de dois anos antes mais a inflação pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), índice próximo ao IPCA. Como o PIB recuou 3,6% em 2016, a variação negativa não se refletirá no salário mínimo de 2018.

Esta é a segunda vez no ano que o governo reduz a previsão do salário mínimo para o ano que vem. Em agosto, a gestão do peemedebista já havia recuado de R$ 967 para 2018, prometido na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para o valor de R$ 969.

O PLOA (Projeto de Lei Orçamentária Anual) de 2018, que será enviada ao Congresso Nacional, o governo mantém a previsão de crescimento de 2% do PIB para 2018 e uma inflação oficial pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 4,2%.

Com um salário de 937,00 reais por mês, 11 vezes por ano; férias e mais um 13º salário, o brasileiro ganha U$ 3805 bruto por ano, com o dólar cotado a 3,30 reais, trabalhando 44 horas por semana. É muito pouco, pouco mesmo, mal dá para comer. Como pagar o aluguel?

Certamente devemos morar com outras pessoas para conseguir pagar o nosso teto. Nem falo de lazer, cultura, diversão e arte…

É meu povo, quando vamos dizer não a exploração da nossa capacidade de trabalho e ao valor irrisório pago pelos nossos serviços?

Vamos lutar por melhores condições de vida e progresso pessoal!

Por Miriam Rey