O debate sobre a dívida pública e os cortes no orçamento da União, estão na política do novo governo brasileiro. Mas se realmente queremos estabilizar a nossa situação financeira, além de outras medidas, devemos apertar o cinto, começando com os salários absurdos dos nossos parlamentares.

A Revista britânica « The Economist » com dados de 2013, classificou o Brasil como o quinto país com os mais altos salários entre os políticos mundiais, as estatísticas mostram que congressistas brasileiros têm remuneração superior a dos japoneses, noruegueses, canadenses, alemães e suecos.

O valor de cada remuneração em diferentes países considera o salário em relação à renda per capita. Neste caso, o Brasil aparece na sexta colocação, com a remuneração anual do parlamentar, sendo 13 vezes o Produto Interno Bruto (PIB) per capita. A Nigéria lidera o ranking, com 116 vezes o valor do PIB per capita. A Noruega é a última colocada, com apenas duas vezes o valor do PIB per capita.

Os únicos países selecionados com parlamentares que ganham mais do que os brasileiros são Austrália (US$ 201,2 mil), Nigéria (US$ 189,5 mil), Itália (US$ 182,0 mil) e Estados Unidos (US$ 174 mil).

Os 513 deputados brasileiros custam por ano, R$ 1 bilhão, ou seja R$ 86 milhões por mês para o contribuinte, segundo o levantamento do Congresso em Foco. Que vergonha, em um país onde o salário mínimo é de R$ 937,00 para cobrir todas as despesas. Que país é esse ?

A lista dos benefícios dos parlamentares é grande e gorda, além do salário de R$ 33.763, auxílio-moradia de R$ 4.253 ou apartamento de graça para morar. Verba de R$ 92 mil para contratar até 25 funcionários. R$ 30.416,80 a R$ 45.240,67 por mês para gastar com alimentação, aluguel de veículo e escritório, divulgação do mandato, entre outras despesas. Dois salários no primeiro e no último mês da legislatura como ajuda de custo, ressarcimento de gastos com médicos. Esses são os principais benefícios de um deputado federal brasileiro, que somam R$ 168,6 mil por mês, para cada um. Com esse dinheiro daria para construir muitas escolas e investir na educação.

A proposta que reduz os salários dos deputados e senadores está transitando no Plenário.O salário poderá baixar de R$ 33.763,00 para R$ 26.723,13. Uma proposta nesse sentido (PDS 367/2017) já foi aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e aguarda votação no Plenário do Senado. O texto foi apresentado pela presidente da CAE, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), em 2015.

Na época, a então presidente da República, Dilma Rousseff, propôs a redução do próprio salário e dos ministros em 10%. Gleisi sugeriu que os parlamentares fizessem o mesmo. Mas a relatora do projeto de decreto legislativo, senadora Regina Souza (PT-PI), recomendou um corte maior, de 20%, o equivalente aos salários de 2014, a senadora ressaltou que o Congresso não pode ficar de fora da política de contenção de gastos e, é imprescindível que a parcela da população que se encontra no topo da pirâmide salarial, como no caso dos parlamentares, contribuam efetivamente com os reajustes fiscais.

A lei de redução dos salários dos parlamentares deverá ser votada no Plenário do Senado, se aprovada ainda precisará ser ratificada pela Câmara dos Deputados.

Diante de tantos números e zeros a direita, fico perplexa da ganância e dos salários exorbitantes dos políticos brasileiros.

Por
Miriam Rey