É inadmissível o que está acontecendo com os imigrantes vindos do México na fronteira dos Estados Unidos da América, separar as crianças dos pais é desumano.

Devido à política de “tolerância zero” do Presidente dos EUA, Donald Trump, contra a imigração ilegal que implica tratar como criminosos os que entram no país sem documentos, cerca de dois mil menores imigrantes foram separados das famílias na fronteira com o México nas últimas seis semanas.

A detenção e a separação das famílias são experiências traumáticas que podem expor essas crianças à exploração e ao abuso.

1526670851 US NEWS IMMIGRATION CHILDREN 2 LAA indignação nos Estados Unidos é cada vez maior depois de terem sido divulgadas imagens dos menores imigrantes colocados em armazéns e, em alguns casos, repartidos por celas.

Não é aceitável ter crianças trancadas e separadas e além do mais, as pessoas que cuidam das crianças nos centros não são autorizadas a confortar e ajudar, as crianças precisam de afeto e carinho.

A separação de famílias por causa da política migratória mais rígida e a situação de crianças que aguardam as decisões têm preocupado organismos da sociedade civil que lutam pelos direitos dos imigrantes. A União Americana de Liberdades Civis questiona em tribunais o modelo de política migratória adotado na administração Trump.

Nesta terça, a própria primeira-dama dos EUA, Melania Trump, pediu uma solução para a questão, dizendo que “detesta ver crianças separadas de suas famílias”. O presidente Donald Trump culpa os democratas pela situação.

Criancas imigrantesA separação de pais e filhos se deve, na verdade, à política de “tolerância zero” adotada pela administração Trump na questão imigratória. Nenhuma lei a impõe.

“Tolerância zero” significa que quando se descobre uma família entrando de forma clandestina dos Estados Unidos, os pais são detidos e processados penalmente, mesmo se não tiverem antecedentes criminais em seus países de origem. É neste momento que as crianças são separadas dos seus responsáveis.

O “Acordo Flores”, que leva o nome de uma adolescente apreendida na fronteira na década de 1980, requer que o governo libere as crianças e seus pais, parentes adultos e outros cuidadores, nesta ordem de preferência. Se essas opções forem esgotadas, as autoridades devem encontrar um arranjo “menos restritivo” para o menor que chegou ao país sem seus pais.

O governo Trump quer que o Congresso apoie uma lei que revogue este acordo.

1529422956 253073 1529424228 noticia normalEm 2015, um juiz federal de Los Angeles ampliou os termos do acordo, ao determinar que ele se aplica também a crianças capturadas com seus pais, além daqueles que chegaram sozinhos aos Estados Unidos. Em 2016, a Corte de Apelações do 9º Distrito dos EUA conclui que as crianças imigrantes que chegaram à fronteira com seus pais devem ser tiradas de trás das grandes. A decisão não especificou se os pais também devem liberadas, tampouco se seguirão separados de seus filhos.
Enquanto isso… as crianças é que são o alvo de toda essa política mal explicada e que vai contra os direitos humanos.

Por Miriam Rey