Vinicius de Moraes, nascido Marcus Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro no dia 19 de outubro de 1913 e morreu no dia 09 de julho de 1980. Poeta, dramaturgo, jornalista, diplomata, canto e compositor.

Poeta essencialmente lírico o que lhe renderia a alcunha “poetinha”, que lhe teria atribuído Tom Jobim notabilizou-se pelos seus sonetos. Conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, era também conhecido por ser um grande conquistador.[ O poetinha casou-se por nove vezes ao longo de sua vida.

Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. Ainda assim, sempre considerou que a poesia foi sua primeira e maior vocação, e que toda sua atividade artística deriva do fato de ser poeta. No campo musical, o poetinha teve como principais parceiros Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque e Carlos Lyra.

O ano de 1958 marcaria o início de um dos movimentos mais importantes da música brasileira, a Bossa Nova. A pedra fundamental do movimento veio com o álbum “Canção do Amor Demais”, gravado pela cantora Elizeth Cardoso. Além da faixa-título, o antológico LP contava ainda com outras canções de autoria da dupla Vinicius e Tom, como “Luciana”, “Estrada Branca”, “Outra Vez” e “Chega de Saudade”, em interpretações vocais intimistas.

“Chega de Saudade” foi uma canção fundamental daquele novo movimento, especialmente porque o álbum de Elizeth contou com a participação de um jovem violonista, que com seu inovador modo de tocar o violão, caracterizado por uma nova batida, marcaria definitivamente a bossa nova e a tornaria famosa no mundo inteiro a partir dali. O nome deste violonista é João Gilberto. A importância do disco “Canção do Amor Demais” é tamanha que ele é tido como referência por muitos artistas como Chico Buarque e Caetano Veloso.

Em agosto de 1962, com Tom Jobim, João Gilberto e o grupo Os Cariocas, Vinicius de Moraes participou de “Encontro”, um dos mais importantes concertos da bossa nova e realizado na boate “Au Bon Gourmet”, no Rio de Janeiro. Neste show, foram lançadas clássicos da música popular brasileira como “Ela é Carioca”, “Garota de Ipanema”, “Insensatez”, “Samba do Avião” e “Só Danço Samba”. Naquela mesma casa noturna foi montada “Pobre Menina Rica”, mais uma peça do poeta, cuja trilha sonora trazia canções como “Sabe Você”, “Primavera” e “Samba do Carioca” (lançando a cantora Nara Leão), ambas parcerias com Carlos Lyra. Ainda naquele ano, Vinicius comporia com Lyra “Marcha da Quarta-feira de Cinzas” e “Minha Namorada”.

Várias daquelas seriam gravadas em 1963. Jorge Goulart gravou “Marcha da Quarta-feira de Cinzas”, Elizeth Cardoso gravou “Mulher Carioca” e “Menino Travesso” (composta com Moacir Santos), Elza Soares gravou “Só Danço Samba”, Pery Ribeiro e o Tamba Trio gravaram “Garota de Ipanema” e Jair Rodrigues gravou “O Morro Não Tem Vez” (composta com Tom Jobim).

Naquele mesmo período, Vinicius de Moraes lançou com a atriz Odete Lara seu primeiro álbum: Vinicius e Odete Lara. Com arranjos e regência do poeta Moacir Santos, o LP continha canções da parceria com Baden Powell, como “Berimbau”, “Mulher Carioca”, “Samba em Prelúdio” e “Só por Amor”, entre outras. Ainda em 1963, o selo Copacabana lançou o álbum “Elizeth Interpreta Vinicius”, contendo as parcerias do poetinha com Baden Powell, Moacir Santos (e arranjos deste), Nilo Queiroz e Vadico.

O ano de 1968 marcou o fim da carreira diplomática de Vinicius de Moraes. Após 26 anos de serviços prestados ao MRE, Vinicius foi aposentado pelo Ato Institucional 5, criado pela ditadura militar brasileira, fato que o magoou profundamente. No dia em que o ato era editado, Vinicius encontrava-se em Portugal onde realizava um concerto. Após este espetáculo, estudantes salazaristas estavam aglomerados na porta do teatro para protestar contra o poeta. Avisado disto e aconselhado a se retirar pelos fundos do teatro, o poetinha preferiu enfrentar os protestos e, parando diante dos manifestantes, começou a declamar “Poética I” (“De manhã escureço/De dia tardo/De tarde anoiteço/De noite ardo”). Então, um dos jovens tirou a capa do seu traje acadêmico e a colocou no chão para que Vinicius pudesse passar sobre ela — ato imitado pelos outros estudantes e que, em Portugal, é uma forma tradicional de homenagem acadêmica.

Em 1969, Vinicius de Moraes publicou o livro Obra Poética e se apresentou ao lado de Maria Creuza e Dorival Caymmi em Punta del Este. O poetinha também fez recital na Livraria Quadrante, em Lisboa, apresentando, entre outros, os poemas “A Uma Mulher”, “O Falso Mendigo”, “Sob o Trópico de Câncer” (no qual trabalhou durante nove anos) e “Soneto da Intimidade”. O evento foi gravado ao vivo e lançado em LP pelo selo Festa. Ainda naquele ano, Vinicius fez apresentações em Buenos Aires, ao lado de Caymmi, Baden Powell, Quarteto em Cy e Oscar Castro Neves.

Parceria com Toquinho

praias de itapua bahia 4Praia de Itapuã, em Salvador, onde Vinícius residiu e compôs algumas de suas canções com Toquinho.

Naquele mesmo período, iniciou suas primeiras composições com um novo parceiro, o violonista Toquinho. Desta parceria, viriam clássicos como “Como Dizia o poeta”, “Tarde em Itapoã” e “Testamento”.

Em 1970, Vinicius se apresentou na casa de espetáculo carioca Canecão, com o parceiro Tom Jobim, o violonista Toquinho e a cantora Miúcha. O show, que relembrou a trajetória do poeta, ficou quase um ano em cartaz devido ao grande sucesso obtido. Outra apresentação marcante de Vinícus de Moraes, ao lado de Toquinho e da cantora Maria Creuza, foi na cidade argentina de Mar del Plata, na boate La Fusa. O concerto resultaria no LP ao vivo Vinicius En La Fusa, uma das mais belas joias gravadas ao vivo da música brasileira. No repertório, interpretado de modo espetacular pela cantora baiana, estavam entre outras “A Felicidade”, “Garota de Ipanema”, “Irene”, “Lamento no Morro”, “Canto de Ossanha” (canção muito aplaudida pela plateia argentina), “Samba em Prelúdio”, “Eu Sei Que Vou Te Amar” (canção que contou ainda com a declamação do poetinha de “Soneto da Fidelidade”, para delírio do público argentino), “Minha Namorada” e “Se Todos Fossem Iguais A Você”, que encerrou o magnífico concerto. No ano seguinte, Vinicius voltou à Fusa para gravar um novo LP ao vivo, também com Toquinho, mas desta vez com a cantora Maria Bethânia nos vocais. Neste álbum estão presentes canções com “A Tonga da Mironga do Kabuletê”, “Testamento” e “Tarde em Itapoã”. Também em 1971, assinou com Chico Buarque, sobre antigo choro de Garoto, a canção “Gente Humilde”, grande sucesso gravada pelo próprio Chico e, pouco depois, por Ângela Maria.

b020eac6ff4c933fd0081aa58da6bbdcVinicus e Toquinho

Na madrugada de 9 de julho de 1980, Vinicius de Moraes começou a se sentir mal na banheira da casa onde morava, na Gávea, vindo a morrer pouco depois. O poeta passou o dia anterior com o parceiro e amigo Toquinho, com quem planejava os últimos detalhes do volume 2 do álbum “Arca de Noé”. Foi sepultado no Cemitério de São João Batista no Rio de Janeiro.Em 1981, este LP foi lançado.

Mesmo após a morte, a obra musical de Vinicius manteve-se prestigiada na música brasileira. Foram lançados os álbuns Toquinho, Vinicius e Maria Creuza – O Grande Encontro (1988) e A História dos Shows Inesquecíveis – Poeta, Moça e Violão: Vinicius, Clara e Toquinho (1991), além de terem sido lançados livros sobre o poeta, como Vinicius de Moraes – Livro de Letras (1993), de José Castello, Vinicius de Moraes (1995), também de José Castello, “Vinicius de Moraes” (1997), de Geraldo Carneiro (uma edição ampliada do livro publicado em 1984). Ainda em 1993, Almir Chediak editou os três volumes do Songbook Vinicius de Moraes.

Por ocasião dos vinte anos da morte do poeta, em 2000, a Praia de Ipanema foi o palco de um show em homenagem a Vinicius, que contou com a participação da Orquestra Sinfônica Brasileira, Roberto Menescal, Wanda Sá, Zimbo Trio, Os Cariocas, Emílio Santiago e Toquinho, interpretando composições de sua autoria.

Em 2003, ano em que o poeta completaria seu 90º aniversário, foram lançados vários projetos em tributo à sua criação artística. Também foi lançado o website oficial de Vinicius.

Em 2005, “The Girl from Ipanema”, versão em inglês de “Garota de Ipanema”, interpretada por Astrud Gilberto, Tom Jobim, João Gilberto e Stan Getz e gravada em 1963, foi escolhida como uma das 50 grandes obras musicais da Humanidade pela Biblioteca do Congresso Americano. Ainda em 2005, estreou, na abertura da sétima edição do Festival do Rio, o documentário Vinicius, dirigido por Miguel Faria Jr. e produzido por Suzana de Moraes, filha do poeta, com a participação de Chico Buarque, Carlos Lyra, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Adriana Calcanhoto, Mariana de Moraes e Olívia Byington, entre outros convidados. A trilha sonora do filme foi lançada em CD.

Em 2006, foi lançada a caixa “Vinicius de Moraes & Amigos”, com cinco álbuns do poetinha, contendo 70 canções compiladas de fonogramas gravados por vários intérpretes e pelo próprio Vinicius (solo ou em dueto. A caixa incluiu ainda um livreto com a biografia do homenageado e as letras de todas as canções.

Em 2011, a escola Império Serrano falou sobre ele com o enredo : “A Benção, Vinicius”.

Um grande poeta, compositor e cantor, temos orgulho do nosso sempre e eterno Vinicius de Moraes !

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

http://www.youtube.com/watch?v=KJzBxJ8ExRk

http://www.youtube.com/watch?v=crruMnUlGcY

http://www.youtube.com/watch?v=CyKiHSJ7Z_Y